II Semana Acadêmica de Medicina da UFSM

 

Convidamos todos os estudantes de medicina a participarem da II Semana Acadêmica de Medicina da UFSM

“E agora, José?
A saúde precarizou,
A fila aumentou,
O salário baixou,
A categoria se mobilizou!
E agora, José?
E agora, você?”

Mesas sobre trabalho médico, saúde e educação

Minicursos científicos

Apresentação de Banners

Festa de encerramento

Vai ficar de fora dessa?

INSCRIÇÕES A PARTIR DO DIA 30 DE SETEMBRO!

Image

Anúncios
Publicado em Início | Deixe um comentário

Posicionamento sobre o Programa “Mais Médicos”

AOS ESTUDANTES DE MEDICINA

Como Diretório Acadêmico acompanhamos, na medida do possível, as políticas impostas para a saúde – em especial as que dizem respeito a categoria médica. Sendo assim, realizamos ao longo do semestre espaços de discussão (Revalida, Vinda dos Médicos Cubanos, entre outros) para construirmos posicionamentos com os estudantes que não se baseiem apenas em discussões virtuais. 

Entendendo a importância de se construir pautas estudantis abertamente, nessa quarta-feira (24/07) foi realizado um espaço sobre o “Programa Mais Médicos”, onde se deliberou, por unanimidade, a posição contrária a MP 621/ 8 de Julho de 2013. Tal medida prevê, dentre outras coisas, a abertura de mais vagas em cursos de Medicina de forma desorganizada; a interiorização do médico por meio de uma bolsa não regulamentada, sem valor fixo, sem vínculo empregatício, sem garantia de direitos trabalhistas e com possibilidade de cortes ou restituição desse valor ao governo caso o médico se desligue do programa antes do período previsto, não prevê garantia de infraestrutura para as equipes de saúde e sequer condições de trabalho; além de adicionar um novo ciclo obrigatório curricular de mais dois anos de estágio no SUS com bolsa custeada pelo Ministério da Saúde a partir de janeiro de 2015.

Enquanto DAZEF acreditamos que mobilizações para impedir a aprovação dessa Medida Provisória paliativa para a saúde são muito importantes, e defendemos que atos, paralisações, greves ou qualquer movimentação de luta pela saúde e pelo trabalho devem ser deliberados em Assembleias e construídos coletivamente com pautas definidas por todos. Portanto, convocamos Assembleia Geral dos Estudantes de Medicina para a próxima segunda-feira (29/07) no CCS, para debater o apoio à Paralisação dos Médicos, nos dias 30 e 31 de Julho, proposta pelo SIMERS.

Gestão Novos Trilhos

Publicado em Início | Deixe um comentário

Estudantes de Medicina da UFSM mobilizados para melhorar o Internato

Nessa quinta-feira (27/06) ocorreu uma reunião extraordinária do colegiado do curso para discussão das normas e pautas do Internato solicitada no dia 21/06 durante a entrega dessas pautas a coordenação do curso. Nessa reunião tivemos algumas conquistas em relação às normas do Internato como direito de pós-plantão, manutenção do direito de alimentação e acréscimo do direito de transporte para o Internato Eletivo, período de férias por ano de internato, direito a paralisação quando não houver condições de trabalho e aprendizado adequados, manutenção de quatro representantes discentes sem especificação de semestre na comissão do Internato, apenas o preceptor deverá definir as funções do interno bem como sua avaliação, que em hipótese alguma seja excedida a carga horária das clínicas, orientação da preceptoria em tempo integral, direito ao aluno em apontar falhas nos regulamentos e normas da instituição quando julgar essas práticas indignas do ensino ou do exercício médico. Infelizmente, o cumprimento em dobro de carga horária ao faltar ao plantão sem justificativa permaneceu, já em casos de falta justificada, os casos particulares serão discutidos no colegiado que decidirá se há necessidade ou não de recuperação.

Durante a reunião do colegiado, sentimos que nossas pautas, que não foram discutidas por falta de tempo, estavam sendo tratadas com descaso. Apesar do grande apoio que recebemos de alguns professores, presenciamos declarações de que os estudantes não poderiam reclamar da ausência de preceptores enquanto trocassem, vendessem ou faltassem a plantões, que as chefias não possuem controle algum sobre os preceptores, que o HUSM está deixando de ser um hospital escola e que com a chegada da EBSERH isso ficará ainda pior, que a coordenação desconhecia a existência de tantas irregularidades, que precisamos provar o que dizemos, e que a coordenação não participaria e jamais haviam se comprometido a participar da assembleia geral dos estudantes, contrariando a declaração da semana anterior, no dia 21/06, feita diante dos 20 estudantes que foram entregar as pautas.

No dia seguinte, sexta-feira (28/06) ocorreu a quarta Assembleia Geral dos Estudantes de Medicina em que, diante do reincidente descaso com as reivindicações estudantis relacionadas aos problemas do curso, os estudantes presentes definiram uma semana de atividades para que nossas pautas sejam avaliadas e atendidas pelo colegiado do curso na sua próxima reunião (04/07). Primeiramente, foi deliberada a realização de um ato durante a quarta-feira (03/07) em apoio à mobilização nacional dos médicos com oficina de cartazes, tenda de promoção à saúde, panfletagem para conscientizar a população sobre a real situação da saúde publica. Posteriormente, também se deliberou a PARALISAÇÃO das atividades acadêmicas na quinta-feira (04/07), a partir das 10 horas, e vigília para aguardar o parecer do Colegiado em relação às nossas pautas, durante a sua reunião ordinária que ocorrerá nesse mesmo dia, às 11 horas. Durante a paralisação, realizaremos um almoço coletivo em frente ao CCS e plenária de apreciação das respostas às nossas reivindicações.

Contamos com a presença de todos nessas lutas, pois apenas unidos podemos realizar as mudanças que desejamos!

Só a luta muda a vida!

Imagem

Publicado em Início | Deixe um comentário

Só a luta muda a vida!!!

Após um mês realizando assembleias semanais para levantamento das pautas do internato, chegamos a um momento crucial de nossa mobilização: o momento de ouvirmos da coordenação do curso a resposta às nossas pautas. A coordenação do curso se comprometeu a ir na assembleia geral de sexta feira – e possivelmente alguns chefes de departamento também comparecerão – para levar o posicionamento do colegiado perante as nossas reivindicações.

É inegável a importância histórica do momento que vivemos, no qual vários segmentos da sociedade estão se mobilizando para conquistar ou manter seus direitos. Somamos-nos às milhares de pessoas que saíram às ruas para lutar contra o aumento das tarifas, por melhores condições no transporte público, acesso à saúde, maior investimento em educação e a categoria médica, inclusive, pretende paralisar as atividades na busca por melhores condições de trabalho a assistência à população.

Assim, fica evidente que nesse momento estamos mais fortalecidos para lutarmos por melhores condições de estudo e trabalho dentro da universidade também. É nesse momento de efervescência social que convidamos os estudantes a construir mais uma assembleia geral na busca por melhorias no nosso curso.

A coordenação do curso permitiu a liberação dos estudantes às 11 horas do dia 28 para que possam participar da assembleia. 

Aqueles que desejarem trazer faixas e cartazes, sintam-se a vontade!

Publicado em Início | Deixe um comentário

Problemas no Internato: Mobilização estudantil por mudanças

Desde o dia 27 de maio de 2013, os estudantes do curso de medicina da UFSM vêm se reunindo para discutir as condições do curso. Devido aso depoimentos dos estudantes do internato, sentiram necessidade de realizar assembleia em busca de soluções para os diversos problemas no Internato Curricular.

ImagemEm três assembleia construíram pautas de reivindicações, que foram posteriormente entregues à coordenação do curso de medicina. ImagemNo momento em que foram entregue as pautas, cerca de 20 estudantes de diversos semestres do curso e integrante do Diretório Acadêmico pediram a convocação de uma reunião extraordinária do colegiado, tendo como única pauta o internato, que acontecerá no dia 27 de junho. Nessa reunião os integrantes do colegiado e chefes de departamento serão convidados a participar da Assembleia Geral, que ocorrerá dia 28 de junho, 11h45min no auditório do CCS, cuja presença da Coordenação do curso já está confirmada.

Abaixo seguem as reivindicações dos estudantes

I. Organização do internato

1. No início de cada estágio, gostaríamos de ter uma reunião de apresentação do departamento, para que pudéssemos conhecer os profissionais e residentes daquela clínica, os locais em que podemos atuar e a organização interna do internato. O que sabemos do funcionamento do internato ocorre basicamente por troca de informações com os colegas que já passaram por ele.

2. Delimitação de um Plano de Práticas Básicas no internato, onde são elencadas práticas e habilidades de conhecimento necessário para cada centro do internato, no qual o estudante deve se basear durante o estágio e orientar as suas demandas junto ao preceptor (exemplo: que todo aluno possa se formar tendo conhecimento teórico e prático de RCP, intubação oro traqueal, acessos venosos centrais e periféricos, parto vaginal e etc). Assim, evitando que o aluno caia em pura prestação de serviços manuais e repetitivos, como vem ocorrendo.

3. Solicitamos que a avaliação do interno durante o estágio deve se basear na qualidade do estágio desenvolvida pelo estudante, e não por questões pessoais ou políticas e que, além disso, essa avaliação seja feita exclusivamente pelos professores responsáveis de cada centro e não pelos residentes – como vem ocorrendo – visto que essa é função dos preceptores que, para tal devem estar presentes no hospital acompanhando as atividades dos acadêmicos.

4. Necessitamos de acessibilidade em TODOS os espaços do Internato, pois temos colegas cadeirantes nos primeiros semestres do curso, e eles devem ter as mesmas condições de aprendizado que qualquer outro estudante do curso.

II. Preceptoria

a. Necessitamos que os preceptores estejam SEMPRE presentes no seu posto de trabalho EM TODAS AS AREAS DE ESTÁGIO do internato, especialmente nos setores como a Gineco-obstetrícia, a traumatologia, a cirurgia, o PA cirúrgico e o PA clínico, para dar orientação e tirar dúvidas dos alunos, já que isso não ocorre com frequência nesses estágios, e os estudantes ficam reproduzindo trabalhos repetitivos, pouco didáticos, suprindo a falta de trabalhadores no hospital. Esse quadro acarreta atraso nos atendimentos, acumulo dos pacientes e sobrecarga do residente e do acadêmico.

b. A falta de preceptoria nesses locais ocasiona situações graves como atraso no atendimento de intercorrências e urgências, causando sequelas e agravando problemas dos pacientes. Durante o atendimento, muitas vezes, nos sentimos desamparados frente à necessidade de tomada de decisões importantes. Nesses casos, nossas condutas não se pautam no aprendizado, mas na simples reprodução dos atendimentos que acontecem a nossa volta.

c. Muitas das tarefas dos doutorandos são determinadas pelos residentes, sendo que esta não deve ser uma responsabilidade deles. Frente a isso, pedimos que APENAS o preceptor defina as funções do interno, bem como sua avaliação e orientação. Sentimos que há também a necessidade de uma delimitação mais clara a respeito das funções de internos e residentes.

III. Carga horária do internato

a. Reestruturação imediata das escalas do internato para que não ocorra a divisão desproporcional entre as turmas do internato nas diversas clínicas e estágios, que ocasionam turmas que passam em “mais e menos”.)

b. QUE EM HIPÓTESE ALGUMA SEJA EXCEDIDA A CARGA HORÁRIA de cada clínica com relação ao que está presente no currículo.

I.         Internato em Clínica Médica – 960 horas;

II.        Internato em Cirurgia – 480 horas;

III.       Internato Materno-Infantil – 960 horas;

IV.       Internato em Urgência e Emergência – 480 horas;

V.        Internato em Saúde Coletiva – 480 horas;

VI.       Internato Regional – 240 horas;

VII.     Internato Eletivo – 240 horas.

IV. Relação Medicina UFSM e Prefeitura de Santa Maria

1. Não temos acesso ao acordo entre a universidade e as unidades de saúde de Santa Maria. Queremos saber se esse contrato existe e ter acesso a ele. Caso ele não exista, que seja elaborado de forma a garantir condições adequadas de aprendizado e oficializar esses estágios.

V. Assistência estudantil e condições de trabalho

1. Caso soframos algum acidente de trabalho, incluindo o biológico, não temos atendimento, suporte ou orientações. Prezando pela nossa saúde, pedimos que seja implantado para os estudantes de medicina o protocolo de atendimento a acidentes e se possível um seguro fornecido nesses casos.

2. Durante os estágios que precisamos fazer fora da UFSM temos que nos deslocar a locais distantes, de difícil acesso, e não recebemos alimentação, precisando cobrir os gastos com alimentação e transporte com nosso próprio dinheiro. Frente a isso, pedimos vale transporte ou uma bolsa de auxílio, para cobrir as diversas despesas desse estágio durante seu período.

3. Durante o internato ficamos quase 24 meses sem férias. Exigimos frente a isso a implantação de um período de férias a cada ano de internato, a exemplo do que acontece na maioria das universidades, a ser definido previamente pela comissão do internato.

4. Implementação do Pós-Plantão, pois quando os estudantes prestam tal atividade não são liberados do cronograma do dia seguinte, causando déficit no aprendizado e na realização das atividades.

VI. Urgência e Emergência

1. Traumato-ortopedia:

 a. Necessidade de aulas teóricas, acessíveis a todos os estudantes que estão passando por essa clínica, programadas e avisadas com antecedência, dadas pelo preceptor.

b. A evolução dos pacientes do andar da traumato-ortopedia não deve ser realizada pelos estudantes que estão passando na Urgência e emergência, como ocorre atualmente. Entendemos que o estágio de traumato-ortopedia deve ser realizado no PA com a presença do preceptor, possibilitando o aprendizado de procedimentos básicos de traumatologia.

2. Patronato:

a. Neste estágio temos sérios problemas com questões de segurança. Já houve casos de assalto e tentativa de agressão a estudantes. Sentimos, devido a isso, a necessidade de um segurança da universidade, presente no local do estágio para garantir a segurança dos estudantes, e não do patrimônio, como ocorre atualmente.

b. Também por questões de segurança, pedimos a reorganização das escalas desse estágio, para que não haja a necessidade de plantões noturnos, mas sim, dois plantões diurnos (por exemplo: primeiro turno das 8h às 12h, segundo turno 13h30min às 17h30min).

c. Entendemos a importância e o grande aprendizado que esse estágio no Patronato nos proporciona, e que devemos continuar nesse campo. No entanto, sentimos que os diversos problemas já citados atrapalham o nosso aprendizado e a qualidade do atendimento aos pacientes.

e. Exigimos preceptoria qualificada no patronato.

VII. Gineco-obstetrícia

1. CO:

a. A ausência da maioria dos preceptores nas salas de parto dificulta ou impossibilita o aprendizado de procedimentos básicos, como a realização de um parto vaginal, restringido nossa atuação a atividades burocráticas.

b. Percebemos que é necessária a triagem no atendimento inicial do CO, pois os atendimentos acabam sendo realizados sem priorizar os casos mais graves, e abrindo a possibilidade para atendimentos por indicação pessoal, isso acaba resultando em sobrecarga de funcionário e estudantes.
c. Pedimos também camas dentro do CO, pois durante o plantão não temos local adequado de intervalo, e acabamos dormindo no chão.

2. Andar da obstetrícia

a. Os estudantes (internos e residentes) são os únicos responsáveis pelas evoluções dos pacientes dessa unidade. Para que seja possível atender todos os pacientes, precisamos fazer os atendimentos de maneira rápida e automática, sem dar devida atenção aos pacientes. Sentimos a necessidade da contratação de mais funcionários e preceptores, pois o excesso de pacientes referente ao número de funcionários acaba sobrecarregando os estudantes, transformando uma atividade que deveria ser acadêmica em predominantemente laboral.

 
VIII. Pediatria

a. Tem preceptoria sempre presente. É o estágio do internato que menos tem problemas, o mais organizado dentro do HUSM. O maior problema é a diferença nas escalas de mais e menos. Percebemos que falta preceptores contratados e na UTI Neonatal. Dois professores se aposentaram e ainda não foram repostos e dois estão por via de se aposentar.


IX. Internato em saúde coletiva

a. Nas unidades de saúde em Santa Maria não há preceptor, e a orientação é realizada pelo médico contratado da unidade, que não possui vínculo educacional com a universidade. Esse fato além de comprometer a qualidade do nosso aprendizado, sobrecarrega um funcionário com funções que não são de responsabilidade dele.

 
X. Internato regional

a. Exigimos a preceptoria nos locais de estágio.

b. Exigimos que a bolsa auxílio seja paga sem atrasos, já que esse valor auxilia nossa estadia.

c. Manutenção do auxílio alimentação nesse estágio.

d. Prestação de contas com o dinheiro repassado a coordenadoria d esse estágio.

Imagem

Publicado em Início | Deixe um comentário

Mobilização dos Estudantes de Medicina da UFSM

Diante de um cenário cada vez maior e mais nítido de precarização da educação universitária e das condições de aprendizado no hospital escola de Santa Maria, o Diretório Acadêmico José Mariano da Rocha Filho decidiu reativar o Conselho de Representantes de Turma (CRT) a fim de avaliarmos a qualidade da formação de ensino médico que nos é oferecida, o funcionamento dos semestres, suas dificuldades e também seus aspectos positivos.
Na primeira reunião desse conselho, os depoimentos dos internos revelaram graves problemas estruturais no internato, diante dessa realidade, os representantes concordaram em levar aos demais estudantes do curso essa questão. Dessa forma, uma primeira assembleia foi realizada dia 05 de Junho a fim de expor e delimitar de forma clara os problemas desse período do curso e encaminhar para o colegiado um documento que reivindique soluções. Uma única assembleia não foi capaz de sanar e debater todas as demandas dos estudantes e por isso foi realizada uma segunda assembleia no dia 11 de Junho em que as pautas pendentes foram contempladas. Nessa mesma reunião deliberou-se a realização de uma nova Assembleia na próxima TERÇA-FEIRA dia 18 de JUNHO para aclamação das pautas e discussão de outras possíveis medidas para a conquista de nossas reivindicações. 

É FUNDAMENTAL a participação de todos os estudantes, já que o internato não é uma parte isolada do curso e influencia diretamente em nossa formação. Só atuantes garantimos qualidade de ensino e aprendizado!

Imagem

Publicado em Início | Deixe um comentário

ASSEMBLEIA GERAL PROBLEMAS NO INTERNATO: Porque o HUSM não é mais um hospital escola?

Na primeira reunião do Conselho de Representantes de Turma, os estudantes sentiram a necessidade de fazer uma assembleia geral para discutir e procurar soluções para os diversos problemas enfrentados pelos alunos do INTERNATO.

Convidamos todos os estudantes de medicina da UFSM para participar desta assembleia, já que o internato é um dos momentos mais importantes da nossa formação!

DAZEF – Gestão Novos TrilhosImagem

Publicado em Início | Deixe um comentário